O mármore

Nunca te esqueças de que o mármore, por mais maravilhoso que seja, nada é em si mesmo, só adquirindo valor quando a mão do escultor o transforma numa obra-prima. Sê tu, pois, esse escultor. Amar não é suficiente; é necessário também saber como amar e como exprimir o amor. A gentalha comum, e os próprios bichos, são capazes de sentir prazer; mas o verdadeiro homem distingue-se dele pela sua capacidade, tanto para moldar esse prazer numa arte cheia de nobreza, como para apreciá-lo como dádiva dos deuses; resultado daí que satisfaz não só o corpo mas também a alma.

Henryk Sienkiewicz, Quo Vadiz?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s